Publicado em Deixe um comentário

Lançamento: livro conta a História das ideias do Neoliberalismo

quinnslobodian.com

O livro Globalistas: O fim do Império e o nascimento do neoliberalismo, de Quinn Slobodian, traduzido por Olivir Freitas e prefácio de Tatiana Roque conta a história das ideias neoliberais e ajuda a compreender a realidade presente.

O neoliberalismo, rótulo frequentemente repudiado por liberais de diversos matizes, não se resume a uma doutrina econômica ou ao conjunto de medidas políticas associadas à redução do papel do estado na economia, tampouco reflete exclusivamente a ideia de contraposição entre Estado e economia. 

Quer entender por onde ele andou na história da humanidade nos últimos séculos? Acompanhe como um bom leitor(a), do que se tratar a narrativa construída pelo Quinn Slobodian, historiador e professor no Wellesley College. Vai ser um release rápido e objetivo, prometo.

O que é, e por onde andou o neoliberalismo?

O neoliberalismo como corpo de pensamento e seus embaixadores da Escola de Genebra tiveram profunda influência política, econômica e cultural no mundo contemporâneo. Enquanto escola de pensamento e como movimento político, foi criado e difundido pelos intelectuais reunidos na Escola de Genebra

Sua influência é notável na história política, econômica e cultural ao longo do século XX e seus atores tiveram participação, direta ou indireta, voluntária ou involuntária, na constituição, direção e funcionamento de órgãos multilaterais de caráter planetário, como a Liga das Nações, mais tarde substituída pela Organização das Nações Unidas, e a maior criação atribuída a seus integrantes: a Organização Mundial do Comércio (OMC).

Especialmente inovador é o seu argumento sobre o que denomina a Escola de Genebra, uma fé presente nas instituições de comércio internacional que defende a criação de uma “constituição econômica mundial” para garantir a mobilidade e acumulação de capital. O neoliberalismo compõe uma série de soluções, é possível extrair do argumento, destinadas a manter intactos os lucros privados  – que a Escola de Genebra ativa e conscientemente procurou moldar, junto com burocracias imperiais, lobistas empresariais, ativistas de certos matizes e uma série de outros atores.

O que propõe o livro Globalistas?

O Globalistas faz uma excelente pesquisa, levanta e explica o desenvolvimento do neoliberalismo, seus princípios fundamentais e sua direção. É também uma réplica às análises preguiçosas do neoliberalismo, que se concentram apenas em aspectos da política econômica ou reforma, e não nas outras arenas da vida humana – cultura, política, relações internacionais, etc. 

Em uma séria análise centrada na época que vai de antes da Segunda Guerra Mundial (1920) até a queda do muro de Berlim (1990), Quinn Slobodian radiografa a ascensão do globalismo, ou “ordoglobalismo”, como um processo revolucionário que experimentou ditaduras, ou Estados fortes, para perpetuar um mundo finalmente unificado pelo livre fluxo de mercadorias. 

O autor recria em ricamente detalhada narrativa o nascimento do neoliberalismo a partir das ruínas dos antigos impérios europeus. Contudo, não aponta para uma substituição de modelos, mas para uma ampliação de sua escala. O neoliberalismo, portanto, não deixa de ser doutrina econômica, mas vai além e se estabelece como uma Ordem Global.

Globalistas é um livro completo, valioso e revigorante, que nitidamente define e examina os componentes intelectuais e práticos do neoliberalismo de uma maneira que é digna de elogio.

Quem é o autor?

O Quinn Slobodian é canadense, mas vive em Cambridge, MA e é autor do premiado Globalistas: O fim do Império e o nascimento do Neoliberalismo (original publicado pela Harvard University Press, 2018), que tem tradução para nove línguas (agora em Português). É colaborador frequente na imprensa, escreve para The Guardian, Foreign Policy, Dissent, The Nation, New Statesman e New York Times. É historiador e professor da Wellesley College.

Ficha técnica:

Globalistas: O Fim do Império e o Nascimento do Neoliberalismo (Harvard University Press, 2018)

Autor: Quinn Slobodian

Tradutor: Olivir Freiras

Prefácio: Tatiana Roque

ISBN: 978-65-992476-3-7

Formato: 16×23 cm

Nº de páginas: 358

Editora: Enunciado Publicações

A edição brasileira de Globalistas está em pré-venda pela Enunciado Publicações. Acesse o site da editora: enunciado.com.br

Publicado em Deixe um comentário

Um livro impressionante: Cromatismo Cezanneano

Se você é fascinado por artes plásticas, você precisa ler este livro do José Maria Dias da Cruz – inspirado em Paul Cézanne, pai da pintura moderna, quem abalou as convenções artísticas de cinco séculos e mostrou uma nova forma de representar o mundo. 

Fique tranquilo, este não é mais um título de releitura de suas obras, nem mesmo uma análise das cores e formas utilizadas pelo pintor. Ele é, nas palavras da Professora Sandra Makowiecky, “(…)uma aventura de descobertas e mergulho intenso no universode artistas, cores e formas.” 

Dimensão temporal das cores

As palavras do autor quase não alcançam o seu elevado pensamento plástico, o que torna essa obra tão paradoxal quanto necessária. Este velho dilema artístico quanto as ordens da estética, de forma descrita inunda as páginas. E aí que reside a relevância deste livro: a pintura é tratada como o estudo ótico mais antigo da humanidade. 

“Na natureza tudo está colorido”, como escreve Cézanne, e na 2.ª Edição de O Cromatismo Cezanneano também. José Maria desenvolveu um estudo que vai além da teoria das cores, rompendo com o tom central de toda literatura que pregressa no tema. Atribuindo ao olhar a dimensão temporal da dinâmica das cores no espaço.

Um convite ao leitor não só a aguçar e compreender sua percepção visual, mas a torná-la sua principal ferramenta de mediação com o mundo visível.

A lógica plástica da pintura

Bernardo Magina, pintor e professor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, introduz o texto da contracapa com uma citação clássica de Cézanne: “Há uma lógica plástica em pintura: o pintor deve obediência somente a ela. Jamais à lógica do cérebro… a matéria de nossa arte está lá, naquilo que os olhos pensam.” 

Para o pintor, que se refere a José Maria como Mestre, estamos diante de um autor com dois olhos, duas mãos e numa percepção espacial enriquecida por sua racionalidade ao estudar as cores no espaço plástico da pintura.

A Crítica de arte e Professora, Sandra Makowiecky, abrilhantou a nova edição de O Cromatismo Cezanneano com um prefácio que se fez referência e foi muito além da costumeira tarefa atribuída aos prefaciadores: a de apresentar o autor e a obra. Para a professora da UDESC, poucos artistas fazem o que ele faz. 

“Eu percebo sua tentativa de explicar em termos metodológicos e epistemológicos não apenas sua pintura, mas como se dá essa transmissão de conhecimento em arte, através dos fundamentos da linguagem visual do estudo de cores e do espaço”

O Autor

Ao falar em José Maria Dias da Cruz, trataremos de um carioca da gema, nascido no Rio de Janeiro em 1935 e pintor desde os 11 anos. Desde os seus primeiros esboços teve o privilégio de estar em contato com artistas, que acabaram por orientá-lo em suas obras, como Ibere Camargo, Milton Dacosta e José Pancetti. Aos 14 anos estuda com Santa Rosa, Aldaru Toledo e Jan Zach, aos 21 com Emílio Pettoruti em Paris. Em 1958, com 23 anos, retorna ao Brasil com toda essa bagagem cultural, onde havia conhecido as obras de Braque, Andre Lhote, De la Palette a l’ecritoire, e passou a se interessar por Poussin e Cézanne.

“Um artista não é um ego, é um eco.”  – José Maria

Durante o seu percurso acadêmico desenvolveu uma teoria das cores e descobriu o cinza sempiterno. Foi ele quem repensou o rompimento de tom, interpretou o serpenteamento vinciano, pensou nas cores abstratas substantivas e concretas adjetivas, e descartou o círculo cromático iluminista.

Este é um lançamento da Editora Enunciado Publicações e um livro coringa que não pode faltar na sua estante, se você estuda e quer aprimorar seu conhecimento sobre o comportamento das cores. 

Disponível para venda: enunciado.com.br

FICHA TÉCNICA DO LIVRO

Título: O Cromatismo Cezanneano (2ª edição)

Autor: José Maria Dias da Cruz

ISBN:  978-65-992476-2-0

Formato: 14×21

Nº de páginas: 136

Editora: Enunciado Publicações

Preço de capa: 49,90

Publicado em Deixe um comentário

Nova coleção da Enunciado Publicações vai publicar livros sobre a Educação básica

A editora Enunciado Publicações iniciou os trabalhos para construir um novo projeto especial que vai inaugurar a frente editorial “coleções”. Organizada e coordenada pela Profa. Dra. Kamille Vaz, a coleção “Educação básica” vai publicar livros acadêmicos oriundos de pesquisas sobre temáticas que perpassam a Educação Básica.

Segundo a coordenadora da coleção, que é professora da Faculdade de Educação da UFMG, o objetivo da coleção é impulsionar a divulgação das pesquisas para diversos espaços e chegar o mais próximo possível das escolas e professores da educação básica.

A coleção contará com um conselho editorial composto por professoras e pesquisadoras de diversas universidades, assim como profissionais e docentes que atuam na educação básica, que realizarão uma curadoria dos textos que serão indicados para publicação.

Para saber mais acesse a página da coleção CLICANDO AQUI